Notícias da Univsa

Entidades Representativas dos Servidores das Agências Reguladoras protocolam Projeto de Lei

Neste dia 20 de novembro de 2014, quinta-feira, o Projeto de Lei (PL) geral das Agências Reguladoras Nacionais foi protocolado na Câmara Federal. O PL é uma construção de toda nossa categoria. Essa iniciativa foi um árduo trabalho de construção que contou com a colaboração de todas as as 10 associações de servidores e da ANER, que em um espaço curto de tempo coletou as sugestões de servidores e serviu de base para a relatoria do texto final. O PL é a primeira ação da  criação da Frente Parlamentar pelo Fortalecimento das Agências Reguladoras, sugerida pelo servidor da ANCINE, Rafael dos Santos, na audiência pública da Comissão de Legislação Participativa - CLP da Câmara dos Deputados.  A criação da frente parlamentar contou com o apoio imediato do Deputado Glauber Braga que prontamente articulou para a criação da referida frente parlamentar; criando assim um espaço formal no congresso nacional para lutar pelas nossas demandas. No dia 20/11, estiveram presentes na protocolização do nosso PL os diretores de associações Alessandro Belisário, Sandro Carvalho, Dorieldo e Paulo Mendes, que é a primeira demanda perante a Frente Parlamentar pelo Fortalecimento das Agências Reguladoras. Esse PL além de estruturar melhor as nossas autarquias, nos reafirma como carreira de estado e resolve o problema da nossa remuneração por subsídio. As entidades representativas pretendem acompanhar o processo legislativo e conclamar a cada servidor de carreira que se envolva pessoalmente na tramitação desse PL; promover atos públicos de apoio ao PL; contatar congressistas nos Estados e em Brasília para ajudarem a nossa frente parlamentar; e divulgar a importância desse projeto para a regulação federal. A aprovação da PL no o congresso depende da mobilização dos servidores.  Leia o PL e anexos no link: http://univisa.org.br/index.php/noticias/567-informativo-da-associacao-dos-servidores-da-anvisa-univisa-juntos-podemos-mais

Associação convida para Lançamento do I Prêmio Univisa “Melhoria da Gestão Regulatória”

Em comemoração ao Dia Mundial do Trabalho, na próxima quarta-feira (02/05), às 16h, a Univisa lança o I Prêmio Univisa “Melhoria da Gestão Regulatória”. Idealizado pela associação o prêmio tem o objetivo de estimular a reflexão e a proposição de soluções pelos servidores da Anvisa visando ao aperfeiçoamento de processos, produtos e ações de Vigilância Sanitária. Os projetos serão avaliados em dois diferentes eixos temáticos e a premiação ficará entre R$ 1.800,00 (1º lugar), R$ 800,00 (2º lugar) e R$ 400,00 (3º lugar). Espera-se como resultado do Prêmio Univisa que a agência usufrua de idéias e soluções provindas de seu quadro de servidores, ajudando a consolidar a instituição na missão de assegurar qualidade, segurança e eficácia de produtos e serviços submetidos à Vigilância Sanitária. Na oportunidade a Univisa vai apresentar também a nova logomarca e o novo site da associação, elaborados com o propósito de melhorar a interação com o associado. A diretoria da Univisa também abordará no encontro o desfecho das visitas realizadas às diferentes áreas da agência no início deste ano, oportunidade em que foram coletadas sugestões e contribuições dos servidores que constarão das prioridades de trabalho da associação para 2012.  Programe suas atividades e compareça pontualmente!  Sua presença engrandecerá este momento.  Programação. Data: 02/05/2012 Local: Auditório Anvisa – Sede Horário: 16h

Servidores em assembléia apóiam 7 + 1

A assembléia promovida pela Univisa para mobilizar os servidores da agência pela adoção das horas corridas de trabalho com sobreaviso na agência reuniu cerca de 350 servidores hoje pela manhã. A Associação está lutando junto com outras entidades que representam os servidores para que a diretoria incorpore o novo regime de horário de trabalho. Um Grupo de Trabalho instituído para discutir o tema formou um processo sobre jornada de trabalho, despachou e encaminhou para análise da Dicol. No dia 31 de outubro será realizada reunião entre os diretores e os membros do GT para tratar do tema.O diretor geral da Univisa, Alessandro Belisário disse “Precisamos nos mobilizar para que a Dicol aceite a proposta, que vai trazer ganhos à sociedade, aos servidores e para a agência” acrescentando ainda que o novo horário será optativo.O diretor jurídico da Univisa e membro do GT da jornada de trabalho, Rafael Athan de Moura Costa salientou que não há óbice legal à adoção dessa carga horária, podendo a agência incorporar quando quiser as sete horas corridas com uma de sobreaviso. “Os atuais indicadores criados e adotados pela Assessoria de Planejamento (Aplan) podem, sim, mensurar nossos resultados”. O diretor jurídico salientou ainda que a construção de uma jornada de horário flexível será permanente e dependerá constantemente de melhoria nos resultados da Instituição, por isso, solicitou que os servidores permaneçam mobilizados e comprometidos com o tema qualquer que seja o resultado.Os diretores da Univisa tiraram dúvidas dos servidores presentes à assembléia e pediram que todos se mobilizem pelo pleito (botons e panfletos estão à disposição de quem quiser, bastando ligar para o ramal 6595/Sérgio).O clima na assembléia foi de expectativa e apoio irrestrito às 7 + 1. O modelo é adotado com sucesso na Anatel, co-irmã que estuda inclusive a adoção do tele-trabalho.

ATENÇÃO: Assembléia geral, QUINTA-FEIRA, dia 6.

A Univisa convoca todos os servidores para assembléia geral, dia 6 de outubro (qauinta-feira), às 11h45min, no estacionamento em frente ao bloco D. Assunto: discussão da proposta de jornada de trabalho corrida. Não deixe de participar. 7 + 1 Eu Apóio. Veja perguntas e respostas sobre o tema: 1. O que é o Regime de Sobreaviso? É o período em que o servidor fica à disposição da Agência, esperando ser chamado, para cumprimento de horário predeterminado. 2. As cinco horas de sobreaviso na semana deveriam ser totalmente cumpridas antes de eu começar a ter direito a banco de horas? Sim, a jornada de trabalho na Anvisa continuaria a ser de 40 horas semanais, como determinado em lei. Portanto, só haveria registro positivo no banco de horas se o servidor trabalhasse além dessas 40 horas, exceto o trabalho devidamente autorizado e realizado aos sábados, domingos, feriados, e período noturno. 3. Como seria operacionalizada a convocação das horas de sobreaviso? Por meio de um sistema informatizado ou, na inoperância deste ou em casos excepcionais, mediante qualquer meio que garanta a efetividade da convocação. A convocação deveria ser com um dia de antecedência. 4. Como seria o cômputo das horas negativas? As horas trabalhadas a menor, tendo sua compensação autorizada, caso não compensadas no mês da ocorrência ou no seguinte, deveriam ser computadas negativamente no banco de horas. Não poderiam ser armazenadas mais que 40 (quarenta) horas, positivas ou negativas, no Banco de Horas. O débito de carga horária que exceder o limite estabelecido seria objeto de desconto em pecúnia no mês subseqüente ao da apuração. 5. Como seria o uso das horas positivas? Deveriam ter seu usufruto autorizado pela chefia imediata, dentro do limite de 40 horas, exceto no caso de encerramento do ano, situação na qual o servidor deveria gozar integralmente as horas positivas não usufruídas no decorrer do ano anterior em janeiro do ano seguinte. 6. Haveria alguma previsão sobre número mínimo de servidores que devem estar presentes no setor? Não, caberia aos Chefes imediatos a distribuição de sua força de trabalho observando os limites do horário de funcionamento da Agência, assim como a necessidade de serviço e a sinergia com as demais gerências com as quais se relaciona. A orientação seria de que todas as Unidades estejam em funcionamento das 8 às 18 horas, no mínimo. 7. Haveria penalidade se o servidor não cumprisse a convocação para o sobreaviso? Sim, fica sujeito a desconto em pecúnia e demais penalidades previstas em Lei. 8. O que aconteceria se o servidor não fizesse o mínimo da jornada padrão de 7h diárias, mas no total da semana cumprisse entre 35h e 40h semanais? A compensação tem por base de referência o dia e não a semana. Assim, se o servidor por situação excepcional cumprir 6 horas em um dia, com a devida anuência do gerente, em outro dia teria de cumprir 8 horas (7h + 1h de compensação); caso no dia da compensação o servidor seja convocado para cumprir o sobreaviso, teria de cumprir 9 horas (7h + 1h compensação + 1h sobreaviso). Ressalte-se que sempre que a jornada ultrapassar 7 horas ininterruptas seria impositivo o intervalo mínimo de 1 hora. Não havendo justificativa do servidor, este estaria sujeito às penas previstas em Lei, inclusive descontos por atraso ou ausência. 9. O servidor poderia estar sujeito a cumprir 8h ininterruptas? Não, sendo convocado para o cumprimento de sobreaviso o servidor deveria tirar ao menos 1 hora de intervalo, preferencialmente no meio da jornada. 10. Poderia optar por trabalhar no expediente normal? A nova sistemática seria de 7 horas ininterruptas, e esse passaria a ser o padrão para toda a Agência. Sair do padrão é possível, mediante solicitação do servidor, com anuência do chefe imediato, por meio do envio de comunicado à Unidade de RH. 11. Poderia ter turnos diferentes de cumprimento da jornada ao longo da semana? O horário de funcionamento da Agência passaria a ser das 7 h às 21 h. Dentro desses limites, o gerente em conjunto com seus servidores, estabeleceria o horário de trabalho da equipe. Jornadas diferentes ao longo da semana (nas terças e quintas pela manhã e nos demais dias pela tarde, por exemplo) também poderiam ser definidas pela chefia. 12. Qual seria a diferença entre serviço extraordinário e banco de horas? O serviço extraordinário é aquele remunerado como hora-extra, sendo cabível somente nos casos especificados em lei, em situações excepcionais e temporárias (atividades essenciais que não possam ser desenvolvidas durante a jornada de trabalho ordinária; eventos realizados aos sábados, domingos e feriados que exijam a prestação do serviço; e situações decorrentes de força maior ou caso fortuito). Por exigir contraprestação em pecúnia, a consideração de um serviço como extraordinário depende, além do atendimento aos requisitos acima, de prévia autorização da Gerência Geral de Recursos Humanos, que avaliará a pertinência do pedido e a disponibilidade orçamentária para tal remuneração.O banco de horas existe para equilibrar a realização do trabalho entre servidores e a Administração, permitindo o acúmulo das horas trabalhadas a maior e a menor para posterior compensação. Trata-se de um mecanismo de retribuição por meio de horas, não por meio de remuneração. Dessa forma, o trabalho realizado aos sábados, domingos e feriados em virtude de necessidade de serviço tem cômputo diferenciado (Sábados e pontos facultativos - uma hora e meia para cada hora trabalhada; Domingos e feriados - duas horas para cada hora trabalhada). 13. Qual seria o prazo de validade do banco de horas? O Banco de Horas teria validade de um ano. E estaria apto a receber os créditos das horas trabalhadas a mais e os débitos das horas trabalhadas a menos, e o saldo poderia oscilar positiva e negativamente, no decorrer do ano, respeitados os limites de 40 horas positivas e negativas. A qualquer tempo, mediante anuência do gerente, as horas positivas poderiam ser usufruídas. Ao final do ano, em dezembro, seria apurado o saldo do Banco de Horas, e caso existam horas negativas seria descontado em pecúnia; caso existam horas positivas seriam gozadas integralmente no mês de janeiro do ano seguinte. 14. Trabalho realizado aos fins de semana seria creditado no banco de horas? Sim. Horas realizadas em sábados e pontos facultativos seriam contadas na proporção de um e meio para um; e as trabalhadas em domingos e feriados, na proporção de dois para um. Nesses casos, para que o registro aconteça, não seria necessário terem sido cumpridas as cinco horas de sobreaviso durante a semana. 15. O sistema de sobreaviso é legal e que órgãos da Administração Federal implantaram a Jornada de Trabalho Corrida? Sim, o sistema é legal, já tendo sido objeto de avaliação pelo TCU, CGU e pelo Judiciário. A Advocacia Geral da União (Portaria 1519, de 21 de outubro de 2009), o Tribunal de Contas da União (Portaria – TCU Nº 138/2008), a Procuradoria Geral da União – PGR - e o Ministério Público da União – MPU - (PGR/MPU Nº 468, de 23 de setembro de 2008), a Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL – (Portaria 430/09) e todo o Judiciário Federal e Estadual (Resolução 88/2009) já adotam jornadas de 7 horas ininterruptas com uma hora de sobreaviso (8horas/dia). A Camara Federal, o Senado Federal (Resolução 15/2010) e a Defensoria Pública da União (portaria nº 254, de 18 de junho de 2009) possuem jornada corrida de 6 horas.Outras Dúvidas: Entre em contato com a Univisa

Notícias sobre a discussão da jornada de trabalho na Anvisa

Após seis reuniões o GT da Jornada de Trabalho, com a participação de representantes das entidades Univisa, Aner, Sinagências e Fenasps e da Administração, promoveu encontros com cinco áreas da Anvisa e com a Anatel, para esclarecimento de questões relativas ao tema. - Uniap (apresentação em 08/06) – resultados obtidos com as 6h de atendimento ao público – apresentou: números favoráveis à Administração quando em vigor as 6h de atendimento ao público, relatórios atualizados e parecer favorável da Auditoria da Anvisa;- Aplan (08/06) - indicadores – apresentou uma proposta para evolução do desempenho institucional, com base nos estudos já realizados por aquela área, ou seja, esse estudo auxiliará na composição dos indicadores de medição de rendimento da Instituição;- Ggtin (22/06) – Foi questionada pelo GT sobre os desafios a serem superados para a criação de um programa de computador para controle de freqüência. A área está fazendo alguns levantamentos e retornará com respostas ao GT; - Ggimp e Gggaf (29/06 e 06/07 respectivamente)– viagens a serviço – Ambas as áreas expuseram os prós e contras da legislação, do dia-a-dia e das autorizações acerca do tema viagens a serviço (nacionais e internacionais); A Anatel (09/06) reiterou e complementou, aos representantes do GT, a exposição referente às 7h com 1h de sobreaviso feita no auditório da Anvisa no ano passado. A Anatel já teve sua jornada de trabalho julgada procedente pelo Tribunal de Contas da União (TCU), o que é de grande significância, como salientou o Gerente de Desenvolvimento Organizacional daquela agência, Jeann Karlo de Melo Vieira: “O caminho está livre para a Anvisa porque a Anatel já enfrentou todas as dificuldades de legalização das 07h com 1h de sobreaviso.” As exposições tanto dos setores da Anvisa quanto da co-irmã Anatel deixaram claro que a Administração terá grande incremento na qualidade dos serviços com a adoção das sete horas. A parte do servidor será manter-se ainda mais focado nos objetivos e metas institucionais, uma vez que a vantagem da flexibilização da jornada de trabalho deverá ser demonstrada e comprovada por meio de indicadores a serem apurados e divulgados. A Univisa apóia os pontos favoráveis tanto à Administração quanto aos servidores e lutará primordialmente pela melhoria da qualidade de vida e saúde dos servidores da Anvisa. Por fim, a associação solicita aos colegas que mantenham-se mobilizados, alerta e em discussão constante sobre a jornada de trabalho na agência.

Proposta que a associação levará ao GT sobre Jornada de Trabalho

Portaria n. xx /ANVISA, de de Junho de 2011 Dispõe sobre o horário de funcionamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a jornada de trabalho e acompanhamento da freqüência dos servidores. O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno da Agência, e alterações posteriores, resolve: CONSIDERANDO o disposto na Lei n. 8112, de 11 de dezembro de 1990, com a redação dada pela Lei n. 9527, de 10 de dezembro de 1997; CONSIDERANDO o disposto na Lei n.10.871, de maio de 2004; CONSIDERANDO o Decreto n. 948, de 05 de outubro de 1993; CONSIDERANDO o Decreto n. 1.590, de 10 de agosto de 1995; CONSIDERANDO o Decreto n. 1.867, de 17 de abril de 1996; CONSIDERANDO o Decreto n. 4.836, de 09 de setembro de 2003; CONSIDERANDO o princípio da eficiência, previsto no art. 37 da Constituição Federal; CONSIDERANDO a necessidade de imprimir maior produtividade aos trabalhos da Agência; e CONSIDERANDO o Grupo de trabalho instituído na Portaria n. XX de XX de outubro de 2010; CONSIDERANDO o Acórdão nº 3553/2010-TCU-1ª Câmara do Processo TC- 003.525/2010-4 (REPRESENTAÇÃO) CONSIDERANDO o Processo n. XXXXXXXXXXX RESOLVE Art.1° - A jornada de trabalho dos servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária é de 40 (quarenta) horas semanais, ressalvados os casos disciplinados em legislação específica, devendo ser cumprida de segunda a sexta-feira, no intervalo compreendido entre 07 h e 21h. Art. 2° - O chefe imediato juntamente com os servidores da área fixará o horário de trabalho na respectiva unidade de lotação, observando a necessidade do serviço da unidade, o funcionamento do órgão e o disposto no artigo anterior. Parágrafo único - É vedado ao servidor ausentar-se do serviço durante o expediente sem prévia autorização do(a) chefe imediato, sujeitando-se os infratores às sanções administrativas pertinentes e aos correspondentes descontos na remuneração. Art.3° - O cumprimento da jornada de trabalho será apurado por meio de folha de ponto. Parágrafo único – A apuração do cumprimento da jornada de trabalho do servidor será efetuada em minutos e o seu descumprimento acarretará perda proporcional da remuneração. DAS DEFINIÇÕES Art. 4° - Para fins desta Portaria considera-se: I – Regime de Sobreaviso – período em que o servidor fica à disposição da Agência, esperando seu chamado, para cumprimento de horário predeterminado; II – Regime de turno ou escala – modalidade de trabalho na qual o servidor que executa atividades técnicas de fiscalização nos portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegários do País cumprirá serviço que exigir atividades contínuas, em período igual ou superior a 12 (doze) horas ininterruptas por 36 (trinta e seis) de descanso; e III – Banco de horas – sistema de conta corrente no qual são computadas as horas excedentes trabalhadas como débito, com base na jornada de trabalho instituída. DO REGIME DE SOBREAVISO Art. 5° - A jornada de trabalho, optativa, será cumprida em turno de 07 (sete) horas diárias ininterruptas de segunda a sexta-feira, sendo as 05 (cinco) horas semanais complementares estabelecidas pelo chefe imediato juntamente com os servidores da área. §1° - O chefe imediato poderá optar, observado o interesse e a conveniência do serviço, pelo regime de sobreaviso. §2° - O cumprimento de jornada de trabalho normal, sem regime de sobreaviso, impõe a concessão de intervalo para refeição mínimo de 01 (uma) hora e máximo de 03 (três) horas, devendo, em qualquer caso, ser observada a duração máxima de 10 (dez) horas diárias de trabalho, ressalvados os casos definidos em lei. §3° - Em caráter excepcional, para tender ao interesse do serviço, o chefe imediato poderá convocar servidor em horário diverso do estabelecido em sua jornada de trabalho. §4° - As horas referentes ao regime de sobreaviso, quando efetivamente trabalhadas, não gerarão acréscimos ao Banco de Horas ou pagamento de horas-extras. §5° - As horas trabalhadas que excederem à jornada de trabalho de 40 (quarenta) horas semanais serão acumuladas em Banco de Horas, mediante atesto do (a) chefe imediato. §6° - As horas não trabalhadas no regime de sobreaviso, por ausência de convocação serão liquidadas ao término da respectiva semana, e consideradas como de efetivo exercício. DO REGIME DE TURNO OU ESCALA Art. 6° - Compete ao chefe imediato juntamente com os servidores da área elaborar a escala de trabalho em Regime de turno ou Escala e providenciar para que seja dada publicidade no Boletim de Serviço e/ou INTRAVISA, observado o disposto no Decreto n. 4.836/2003. DO SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO Art. 7° - Considera-se como serviço extraordinário o que exceder a 40 (quarenta) horas semanais e os realizados aos sábados, domingos, feriados e nos dias de ponto facultativo, observados os arts. 8°,9° e 10°, ressalvados os plantões em regime de turno ou escala. Art. 8° - A realização do serviço extraordinário aos sábados, domingos, feriados e pontos facultativos somente será permitida nos casos de: I – atividades essenciais que não possam ser desenvolvidas durante a jornada de trabalho ordinária; II – eventos realizados nos dias mencionados que exijam a prestação do serviço; e III – situações decorrentes de força maior ou caso fortuito. Art. 9° - A autorização do serviço extraordinário dependerá de prévia e expressa anuência do (a) Gerente-Geral de Gestão de Recursos Humanos, observada a existência de disponibilidade orçamentária e financeira. § 1º A GGRHU analisará a solicitação, e em caso de: I. Deferimento: Publicará Portaria no Boletim de Serviço da ANVISA contendo matrícula e nome dos servidores que realizarão o serviço e o respectivo cronograma de execução das horas extras. II. Indeferimento: Publicará Portaria no Boletim de Serviço da ANVISA contendo as razoes da decisão. § 2º Na hipótese descrita no inciso I do parágrafo anterior, os serviços somente poderão ser iniciados a partir da publicação da Portaria no BS. § 3º Na hipótese descrita no inciso II do parágrafo anterior, o setor solicitante poderá apresentar recurso administrativo para apreciação e deliberação da DICOL. Art. 1. Não é devido o adicional por serviço extraordinário aos ocupantes de cargo em comissão e funções de confiança. Parágrafo único – A solicitação do serviço extraordinário deverá ser efetuada pelo chefe imediato a que seja subordinado o servidor, contendo a descrição dos serviços a serem executados. Art.10° - A comprovação da prestação do serviço extraordinário dar-se-á pelo chefe imediato responsável pela fiscalização da execução do serviço, acompanhado, sempre que possível, de prova complementar como registro de ponto, diário de tráfego, comprovante de acesso ao prédio ou documento que explicite o período de realização do serviço. DO BANCO DE HORAS Art. 11° - Fica autorizada a compensação da jornada de trabalho do servidor, a critério do (a) chefe imediato, mediante utilização de Banco de Horas. §1° - Integrarão o banco mencionado no caput as horas de trabalho excedentes, devidamente autorizadas pelo (a) chefe imediato não remuneradas como serviço extraordinário. §2° - Quando realizadas no interesse da administração, as horas de trabalho prestadas domingos e/ou feriados integrarão o Banco de Horas em dobro, e as prestadas sábados, pontos facultativos e / ou horário noturno, na proporção de um e meio para cada hora trabalhada. Quando realizadas no interesse do servidor e autorizadas pela administração, as horas de trabalho prestadas domingos, feriados sábados, pontos facultativos e / ou horário noturno integrarão o Banco de Horas na proporção de 1/1. §3° - Não poderão ser armazenadas mais que 40 (quarenta) horas, positivas ou negativas, no Banco de Horas. §4° - O débito de carga horária que exceder o limite estabelecido no parágrafo anterior será objeto de desconto em pecúnia no mês subseqüente ao da apuração. §5° - Ao final de cada ano, as horas remanescentes no Banco de Horas serão liquidadas. As horas trabalhadas a mais deverão ser usufruídas e as não trabalhadas, descontadas em pecúnia, ambas integramente e no mês subseqüente ao da apuração. DO CONTROLE DE FREQUÊNCIA Art.13 – O controle de acesso físico dos servidores será efetuado por sistema eletrônico, visando atender ao Decreto n. 1.867/96. Art. 14 – Os servidores da Agência terão livre acesso aos registros de controle de sua freqüência para fins de conferência. Art. 15 – O (A) chefe imediato poderá, até o 5° (quinto) dia útil do mês subseqüente, efetuar registros e lançamentos manuais no sistema para: I – tornar sem efeito os registros de períodos trabalhados em desacordo com as disposições desta Portaria; II – validar os períodos trabalhados, em caráter excepcional, fora do horário compreendido entre as 07 h e 21 h; III – registrar a ausência ao local de trabalho para a realização de serviços externos; e IV – informar outras ocorrências relacionadas à freqüência do servidor. Art. 16 – No caso de inoperância do sistema eletrônico de ponto, cabe ao (a) chefe imediato registrar os horários de entrada e saída do servidor, as faltas injustificadas e qualquer outra ocorrência, efetuando posteriormente o lançamento no sistema. §1° - Caso não seja possível efetuar até o 5° (quinto) dia útil do mês subseqüente os lançamentos das ocorrências relativas ao período em que o sistema esteve inoperante, o servidor encaminhará a folha de ponto, à Gerência de Gestão de Recursos Humanos – GGRHU para que sejam efetuados os registros pertinentes. §2° - A abertura, a distribuição, o recolhimento e o encerramento diários da folha de freqüência serão efetuados pelo(a) chefe imediato. §3° - Deverão ser consignadas na folha de freqüência todas as ocorrências relativas ao cumprimento da jornada do servidor. Art. 17 – A utilização indevida do registro do ponto eletrônico, apurada mediante processo disciplinar, acarretará ao infrator e ao beneficiário as sanções previstas em lei. Art. 18 – O sistema definitivo de controle de freqüência dos servidores da Agência será implantado no prazo de 12 (doze) meses, contados da entrada em vigor desta Portaria, cabendo a Gerência de Informática a integração tecnológica que se fizer necessária, até que seja implementado o sistema, será adotado controle por folha de ponto. Seção I DOS AFASTAMENTOS DO LOCAL DE TRABALHO Art. 2. Os afastamentos do local de trabalho referem-se ao deslocamento do servidor para representar a ANVISA em eventos e/ou missões. § 1º Os afastamentos do local de trabalho devem ser devidamente autorizados. § 2º Os afastamentos do local de trabalho podem ser na mesma cidade de exercício ou em outra cidade. § 3º A representação em eventos poderá dar-se de forma ativa ou passiva. § 4º Os afastamentos de que trata o caput são considerados efetivo exercício. Subseção I Das viagens Art. 3. As viagens referem-se ao deslocamento do servidor para outras cidades para representar a ANVISA em eventos e/ou missões. Art. 4. A autorização da emissão do bilhete deverá ser realizada considerando o horário e o período da participação do servidor no evento, o tempo de traslado, e a otimização do trabalho, visando garantir condição laborativa produtiva, preferencialmente utilizando os seguintes parâmetros: I. A escolha do vôo deve recair prioritariamente em percursos de menor duração, evitando-se, sempre que possível, trechos com escalas e conexões; II. O embarque e o desembarque devem estar compreendidos no período entre sete e vinte e uma horas em dias úteis, salvo a inexistência de vôos que atendam a estes horários; III. Em viagens nacionais, deve-se priorizar o horário do desembarque que anteceda em no mínimo três horas o início previsto dos trabalhos, evento ou missão; IV. Em viagens internacionais, em que a soma dos trechos da origem até o destino ultrapasse oito horas, e que sejam realizadas, parcial e ou integralmente, no período noturno (21h às 7h), o embarque, prioritariamente, deverá ocorrer com um dia de antecedência. Art. 5. A emissão do bilhete de passagem aérea deve ser ao menor preço, prevalecendo, sempre que possível, a tarifa em classe econômica. § 1º Caso inexistam vôos com tarifas em classe econômica que atendam ao disposto no artigo anterior poderá ser utilizada base tarifaria da classe executiva. § 2º Servidores que se enquadram nas alíneas I do art. 27 do Decreto nº 71.733, de 18 de janeiro de 1973 poderão viajar de primeira classe mesmo havendo tarifas com menores preços em classes econômicas e/ou executivas. § 3º Servidores que se enquadram na alínea II do art. 27 do Decreto nº 71.733, de 18 de janeiro poderão viajar de classe executiva mesmo havendo tarifas com menores preços em classe econômica. Art. 6. O tempo de trajeto será aquele decorrido desde o horário previsto de embarque na origem ao horário de desembarque no local de destino, acrescido de 1h para vôos nacionais e de 2 horas para vôos internacionais. § 1º O tempo de trajeto é considerado efetivo exercício. Art. 7. O tempo de trajeto, parcial ou integral, compreendido entre 7h e 21h em dias úteis, que for superior a 8 horas, as horas excedentes serão creditadas no banco de horas do servidor. Art. 8. As viagens poderão ser realizadas, parcialmente ou integralmente, nos sábados, domingos, feriados, pontos facultativos e/ou das 21h às 7h por interesse da administração e/ou por impedimentos administrativos. § 1º Nas ocorrências citadas em caput, o tempo de trajeto será creditado no banco de horas do servidor. Subseção II Dos feriados nacionais Art. 9. Os feriados nacionais brasileiros poderão ser usufruídos pelo servidor quando em missão oficial ao exterior. § 1º Caso o servidor trabalhe nos feriados nacionais, no interesse da administração, as horas trabalhadas serão creditadas no banco de horas do servidor. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 21 – Fica estabelecido que um grupo de trabalho, com participação paritária entre servidores e representantes da administração, visando aumento de produtividade e de eficiência da Agência, apresente, anualmente, propostas de novas metodologias de trabalho, focadas em resultado e desempenho. Art. 23 – Os ocupantes de cargos comissionados CCT I, II, III, CAS I, II e III estão sujeitos ao controle de freqüência, ao regime de sobreaviso e a registro no banco de Horas. Art. 24 – Conforme previsto no Decreto n. XXX , são dispensados do controle de freqüência os ocupantes de cargos comissionados: CD I, II, CGE I, II, III, IV, CA I, II, CCT IV e V. Art. 26 – Os casos não previstos nesta Portaria serão analisados pela Gerência Geral de Gestão de Recursos Humanos – GGRHU e decididos em reunião na Diretoria Colegiada – DICOL, com direito a participação dos interessados e das entidades representantes dos servidores. Art. 27 – Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

GGRHU e Univisa prepararam a comemoração do Dia do Trabalhador

GGRHU e Univisa prepararam a comemoração do Dia do Trabalhador A Gerência-Geral de Gestão de Recursos Humanos (GGRHU) e a Univisa promoverão um evento para comemorar o Dia do Trabalhador, no próximo dia 2, segunda-feira, das 9h às 16h30, no auditório da sede da Anvisa.O objetivo da comemoração é trazer à discussão aspectos de interesse dos servidores e colaboradores da Agência.Nesse dia, um representante da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento apresentará o Subsistema de Atenção Integrada à Saúde do Servidor. Em seguida, um palestrante da GGRHU irá apresentar os principais projetos do Programa de Qualidade de Vida da Anvisa.A Univisa convidou o mestre em Psicologia Social e do Trabalho (UnB), Thiago Carneiro, que tem trabalhado em pesquisas sobre jornada de trabalho e qualidade de vida em organizações públicas, para reflexão sobre esta temática na casa.A Programação contará ainda com uma apresentação da Gerência Geral de Portos, Aeroportos e Fronteiras (GGPAF) sobre as principais atividades desenvolvidas nas coordenações dos estados (CVSPAF).A GGPAF pretende assim aumentar o conhecimento dos servidores das demais áreas da Anvisa sobre o trabalho desenvolvidos pelas CVSPAF´s em portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegados.Haverá lista de presença na entrada do auditório. Confira a programação e participe. Horário Atividade 9h – 10h Subsistema de Atenção Integrada à Saúde do Servidor 10h – 10h30 O Programa de Qualidade de Vida na Anvisa 10h30 – 12h Jornada de Trabalho e Qualidade de Vida 14h30 – 16h30 O trabalho da Anvisa em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados

Convênio com BB Seguro Saúde

Os associados da Univisa a partir de agora têm a oportunidade de aderir ao plano BB Seguro Saúde. A negociação realizada pela diretoria de Assuntos Administrativos da associação, em parceira com Sociedade Assistencialista dos Servidores Públicos de Brasília (SASPB) e a corretora Qualicorp, vai proporcionar aos filiados adesão por preços inferiores aos praticados no mercado, e com vantagens também para a Univisa. O BB Seguro-Saúde Sul America não é oferecido atualmente no mercado de planos individuais. É comercializado apenas na modalidade coletiva por adesão, exclusivamente para grupos de afinidade. Podem aderir a ele todos os associados a entidades conveniadas à apólice coletiva estipulada pelo Access Clube com a SulAmérica. A intermediação da SASPB é que garante a diminuição nos valores das mensalidades, permitindo aos filiados da associação aderir a um plano já existente para os demais servidores federais. Além disso, do total da mensalidade paga ao plano, 1% será repassado à Univisa pela SASPB. “Esse recurso extra que vamos receber será reinvestido em benefício dos próprios servidores”, diz o diretor de Assuntos Administrativos Thiago Silva Carvalho. Os corretores da Qualicorp estarão atendendo os interessados em aderir ao plano no hall de entrada do bloco D nos dias 5, 7 e 8 de abril. Principais vantagens do BB Seguro-Saúde Sul América:Atendimento nacional, em todos os planos.* O único seguro-saúde que oferece os quatro hospitais brasileiros certificados entre os melhores do mundo: Hospital do Coração – HCor, São Paulo (Plano Básico), Samaritano, São Paulo (Plano Especial), Albert Einstein, São Paulo (Plano Executivo), Moinhos de Vento, Porto Alegre (Plano Básico). Esses hospitais foram certificados pela Joint Comission International – JCI, instituição que oferece a maior certificação de qualidade em saúde de todo o mundo. Outras grandes referências da medicina do Brasil, entre hospitais, clínicas e laboratórios, fazem parte da rede referenciada SulAmérica, que conta com mais de 33 mil prestadores em todo o Brasil.Reembolso Com a SulAmérica, não importa qual seja o seu plano, além da rede médica referenciada você também pode escolher o serviço médico de sua preferência e, uma vez realizado o atendimento, solicitar o reembolso (de acordo com as condições de cada plano). E, para garantir esse diferencial, a SulAmérica oferece um dos mais altos níveis de reembolso do mercado. Em qualquer um dos planos, você pode escolher médicos e hospitais que não façam parte do seu plano, pagar pelo atendimento e pedir o reembolso de despesas. »Não há CO-participação ou franquias; »Descontos em vacinas, farmácias, e aluguéis de carro (Rede Localiza ou Hertz). A seguir a tabela do benefício para Brasília, a qual já está com um desconto de 20% em relação ao mesmo benefício em outras regiões: Faixa Etária Básico Enfermaria EspecialApto Executivo Apto 00-18 111.70 148.99 301.68 19-23 174.87 247.03 507.96 24-28 179.62 249.48 510.44 29-33 182.63 254.90 530.44 34-38 188.15 260.06 545.81 39-43 190.73 262.73 553.71 44-48 273.53 364.81 737.87 49-53 277.91 463.89 866.03 54-58 289.17 472.66 872.27 A partir de 59 anos 669.72 893.22 1084.72 Rede credenciada em Brasília: Todos os Planos (Básico, Especial e Executivo):2. Hospital Anchieta;3. Hospital Santa Lúcia4. Hospital Brasília;5. Hospital Daehr Lago Sul;6. Hospital JK – Sudoeste;7. Hospital Mater Dei;8. Hospital Santa Helena;9. Hospital Santa Luzia;10. Hospital do Coração11. Hospital Santa Marta;12. Hospital São Francisco;13. Hospital Urológico de Brasília14. Hospital Oftalmológico de Brasília – HOB15. Laboratórios: Exame, Sabin, Brasília, Citoprev, Pasteur... Mais informações quanto à rede credenciada em outros estados podem ser obtidas diretamente com o corretor da Qualicorp, Sr. Vagner Santos (9558-7821 - vagner.santos@qualicorp.com.br)

Assembléia Geral Extraordinária

Em conformidade com os procedimentos e normas expedidos pela Comissão Eleitoral constituída na Assembléia Geral de 16/12/2010 CONVOCO os associados titulares, nos termos do art. 7º do Estatuto, a comparecerem na para a eleição da Diretoria e Conselho Fiscal da Associação dos Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Univisa), para o período de 01/04/2011 a 31/03/2013. Data: 24 (vinte e quatro) de fevereiro de 2011 – quinta-feira.Horário: a partir das 16:00 (dezesseis) horasLocal: Auditório da sede da Anvisa no Setor de Indústrias Gráficas (SIA), trecho 5, área especial 57.Pauta:1) 16:00 hs – Apresentação dos resultados pela atual Diretoria.2) 16:30 hs – Prestação de Contas da atual Diretoria.3) 17:00 hs – Eleição da Diretoria e Conselho Fiscal para o período de 01/04/2011 a 31/03/2013.Eleição da Diretoria e Conselho Fiscal da Univisa· O exercício do direito de voto é intransferível, não se admitindo em qualquer caso, hipótese ou circunstância, o voto por procuração.· Só poderão votar ou ser votados Associados titulares, adimplentes, compreendidos por servidores públicos permanentes da Anvisa, ativos e inativos, integrantes das carreiras do Quadro Efetivo e do Quadro Específico, nos termos do art. 7º do Estatuto.· Foi inscrita uma única chapa, portanto, a eleição será por voto aberto em aclamação da maioria dos presentes na AGE.· Concorre à Eleição para o período o 01/04/2011 a 31/03/2013Chapa: Juntos Podemos Mais1. Diretor geral: Alessandro Magno Damasceno Belisário2. Diretor geral adjunto: Diogo Penha Soares3. Diretor administrativo e convênios: Thiago silva Carvalho3.1. Suplente: Webert Gonçalves de Santana4. Diretor financeiro: Sérgio Roberto de Oliveira Tanajura4.1. Suplente: Marcio Jose Sousa Paes5. Diretor de unidades regionais: Eduardo Luis Testa Neves5.1 – Suplente: Rodrigo Abrão Veloso Taveira6. Diretor de assuntos institucionais: Varley Dias Sousa6.1. Suplente: André Oliveira Rezende de Souza7. Diretor de comunicação: Carlos Lopes Dias7.1. Suplente: André Paes de Almeida8. Diretor cultural e esportivo: Christiane da Silva Costa8.1. Suplente: Itamar Falco Júnior9. Diretor jurídico: Rafael Athan de Moura Costa9.1. Suplente: William Diogo dos Santos TemóteoConselho Fiscal10. Conselheira: Diana de Souza Garcia Nunes11. Conselheiro: Daniel Roberto Coradi de Freitas12. Conselheiro: Hoeck Áureo Souza Miranda

Edital de Convocação - Eleições na Univisa

ABERTURA DO PROCESSO ELETIVO A Comissão Eleitoral constituída na Assembléia Geral de 16/12/2010 expediu os procedimentos e normas para a eleição da Diretoria e Conselho Fiscal da Univisa, para o período de 01/04/2011 a 31/03/2013, os quais publico a seguir: Edital de Convocação A Comissão Eleitoral nomeada na Assembléia Deliberativa de 16/12/2010 da Associação dos Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – UNIVISA para organizar o processo eleitoral para os cargos da Diretoria e do Conselho Fiscal biênio 2011/2012, comunica os procedimentos e normas estabelecidos: I. Da realização da Eleição Art. 1º.A eleição para os cargos da Diretoria e do Conselho Fiscal, biênio 2011/2012, realizar-se-á em Assembléia Geral Extraordinária (AGE), convocada pelo Diretor Geral conforme Estatuto da Univisa, segundo os critérios e procedimentos estabelecidos neste Edital. § 1º.A AGE para eleição do mandato do biênio 2011/2012 deverá ocorrer, com antecedência mínima de 20 (vinte) dias úteis do término do mandato em vigor, fixado em 31/03/2011. § 2º.O mandato da Diretoria será de 2 (dois) anos. (§ 4°, art. 4º do Estatuto), compreendido entre 01/04/2011 e 31/03/2013. Art. 2º. Só poderão votar ou ser votados Associados titulares, compreendidos por servidores públicos permanentes da Anvisa, ativos e inativos, integrantes das carreiras do Quadro Efetivo e do Quadro Específico, nos termos do art. 7º do Estatuto. Art. 3º. O exercício do direito de voto é intransferível, não se admitindo em qualquer caso, hipótese ou circunstância, o voto por procuração. Art. 4º. Havendo inscrição de uma única chapa a eleição será por voto aberto em aclamação da maioria dos presentes na AGE. Art. 5º. Havendo mais de uma chapa inscrita a eleição far-se-á mediante votação secreta. § 1º.As votações processar-se-ão mediante cédula única, que será devidamente autenticada com a rubrica dos membros da Comissão Eleitoral, e que não poderá conter emendas, rasuras ou entrelinhas ou, ainda, qualquer anotação e sinal de violação, sob pena de anulação do voto. § 2º.A apuração dos votos será efetuada pela Comissão Eleitoral, no local da AGE, garantida a participação de fiscalização em igualdade de condições entre as chapas concorrentes. § 3º.Será considerada eleita a chapa que obtiver o maior número dos votos válidos. § 4º.Em caso de empate entre as chapas concorrentes, convocar-se-á nova eleição na semana subseqüente, mantendo-se a Assembléia Geral em aberto. II. Da inscrição de chapas Art. 6º. O prazo para inscrição de chapa é de 10 (dez) dias, compreendido entre 01 a 10/02/2011. Art. 7º. A inscrição da chapa far-se-á mediante requerimento dirigido à Comissão Eleitoral, indicando o nome, assinatura e cargo para o qual cada associado se candidata, inclusive dos suplentes, bem como o nome da chapa para a Diretoria e Conselho Fiscal. § 1º. O formulário para “Requerimento de inscrição de chapa para eleição à Comissão Eleitoral” consta do Anexo I deste Edital. § 2º. O requerimento de inscrição, preenchido eletronicamente, deve ser encaminhado por e-mail para o endereço: diretoria@univisa.com.br, com o título “Inscrição de chapa Eleição biênio 2011/2012” no campo assunto, em seguida, deve ser impresso, assinado por todos os candidatos e entregue uma via original ao Diretor Geral que o encaminhará à Comissão Eleitoral. § 3º. A Comissão Eleitoral, no período de 14 a 18/02/2011, analisará os requerimentos, validará as inscrições e expedirá Edital indicando as chapas concorrentes à eleição. Art. 8º. É vedada, aos membros da Comissão Eleitoral, a participação como candidato no processo eleitoral para o qual tenham sido designados. Art. 9º. É vedada, a candidatura de associados que estejam ocupando cargo em sindicatos, associações ou entidades representativas de servidores das carreiras das agências reguladoras federais, com exceção da própria Univisa (§ 7°, art. 4º do Estatuto). Art. 10º. A chapa para eleição da Diretoria deverá ser composta por, no mínimo, 9 (nove) membros, não podendo ficar vagos os cargos de diretores titulares, diretor geral e diretor geral adjunto (§ 5º, art. 4º). O Conselho Fiscal será composto por três membros (art. 21). § 1º. A estrutura da Diretoria da Univisa é de 9 (nove) diretores titulares e seus suplentes (art. 4º. do Estatuto). 1. Diretor geral 2. Diretor geral adjunto 3. Diretor administrativo e convênios 4. Diretor financeiro 5. Diretor de unidades regionais 6. Diretor de assuntos institucionais 7. Diretor de comunicação 8. Diretor cultural e esportivo 9. Diretor jurídico § 2º. A chapa para a Diretoria deverá, preferencialmente, ser composta por pelo menos um membro de cada cargo dos servidores do Quadro Efetivo e pelo menos um membro do Quadro Específico da Anvisa (§ 6°, art. 4º do Estatuto). § 2º. Poderão ser inscritos mais de um suplente por diretoria, não cabendo suplência para o Diretor Geral e Diretor Geral Adjunto (§ 1°, art. 4º do Estatuto). Brasília, 06 de janeiro de 2011. Comissão Eleitoral: Fabio Gonçalves Rosa Maria de Fátima de Jesus Batista Naves Marina Ferreira Goncalves

Barbano propõe criação de GT para regular jornada de trabalho

Em continuidade às tratativas da Associação Univisa para rediscutir as portarias de jornada de trabalho e de controle de acesso, o diretor geral da Associação, Daniel Coradi de Freitas; o diretor geral adjunto, Diogo Penha; o diretor de Assuntos Institucionais Alessandro Belisario e o colaborador Varley Sousa se reuniram na tarde desta quinta-feira (10/11) com o diretor da Anvisa Dirceu Barbano. A publicação da portaria foi suspensa depois de movimentação dos servidores, que realizaram um protesto no hall de acesso à Agência no início deste mês. Durante a reunião, a Univisa apresentou avaliação crítica das propostas de normas feitas pela diretoria da Anvisa. A representação dos servidores enfatizou que deve haver ampla discussão e busca de alternativas antes da utilização das catracas eletrônicas para controle de ponto. Segundo os representantes da Univisa, no encontro Barbano apresentou a idéia de regulamentar primeiro o controle de acesso e usar as informações geradas pelos equipamentos eletrônicos exclusivamente para segurança do prédio. Depois desse primeiro passo, Barbano propõe que se crie um Grupo de Trabalho oficial, com metodologia, para definir questões relativas à jornada de trabalho, controle de acesso, etc. Com a visita a Dirceu, a Univisa encerra o trabalho de apresentação de críticas às propostas de portaria para controle de acesso e jornada de trabalho, agradecendo o espaço concedido pelos diretores da agência.

Indicadores estratégicos: etapa importante do planejamento deve ter participação do servidor

Começa nesta sexta-feira (dia 12/11) a Oficina para Proposição das Iniciativas e Indicadores Estratégicos da Anvisa. Os nomes dos servidores que vão participar da atividade já foram indicados pelas gerências. Cada área escolheu dois representantes (um indicado pela chefia e outro pelos servidores) com conhecimento prévio sobre temas relacionados aos macroprocessos estabelecidos e sobre formulação de indicadores. Além disso, os indicados devem fomentar discussões e contribuir para o debate coletivo. As atividades da oficina serão realizadas em várias etapas, entre novembro e dezembro, então é necessário que os representantes das áreas tenham disponibilidade para participação efetiva. Nos encontros, os servidores trabalharão sob orientação de professores da Universidade Federal Fluminense (UFF), elaborando propostas de iniciativas e indicadores estratégicos da Agência.A diretoria da Associação Univisa considera de grande relevância que os indicados pelos gestores e colegas de trabalho dediquem-se com afinco à formulação dos indicadores e iniciativas e se comprometam ao máximo com a tarefa a fim de garantir a construção de iniciativas e indicadores estratégicos consistentes e coerentes com a realidade de atuação da Anvisa.Programação das oficinas:• Dia 12 de novembro (das 9h às 12h): reunião dos representantes das áreas com a equipe da Aplan (local: Auditório da Conab – SIA, Quadra 6C, Lote 75).• Dia 16 de novembro (das 14h30 às 17h30): apresentação dos subsídios e metodologia pela UFF (local: Auditório da Anvisa).• Dia 1º de dezembro (das 9h às 17h30): 1ª etapa da Oficina de Proposição das Iniciativas e Indicadores Estratégicos.• Dias 7 e 8 de dezembro (das 9h às 17h30): etapa de fechamento das iniciativas e indicadores estratégicos propostos pelo grupo de representantes.O local onde serão realizadas as próximas etapas será divulgado por e-mail e pela Intravisa aos participantes indicados. Mais esclarecimentos nos ramais 5863 (Denise Horn) e 4266 (Dulce Bergmann).Saiba mais:Indicador: “É uma função que permite obter informações sobre características, atributos e resultados de um Produto, Processo ou Sistema, ao longo de uma série histórica.”Iniciativa: “Representa o detalhamento dos esforços, em termos de projetos estruturados, visando o alcance dos objetivos estratégicos, considerando o atendimento dos Fatores Críticos de Sucesso associados.” Com informações da Aplan

Univisa faz reunião com diretor Agenor Alvares

Dando continuidade às tratativas da associação Univisa para rediscutir as portarias de jornada de trabalho e de controle de acesso, o diretor geral adjunto da Associação Univisa, Diogo Penha, o diretor de Assuntos Institucionais Alessandro Belisario e o colaborador Varley Sousa estiveram reunidos na manhã de hoje (05/11) com o diretor da Anvisa Agenor Alvares. A publicação da portaria foi suspensa depois da movimentação dos servidores, que na semana passada protestaram no hall de acesso à Agência. No encontro, Agenor ouviu a avaliação crítica das propostas de normas, apresentadas pela diretoria da Associação. Representando os servidores, eles enfatizaram que deve haver ampla discussão e busca de alternativas antes da utilização de catracas eletrônicas para controle de ponto, como era intenção da diretoria da Anvisa. Segundo os representantes da Univisa, Agenor deixou claro que discordava de muitos dos pontos contidos na portaria de controle de acesso. O diretor enfatizou que antes de tudo deve ser valorizada e estimulada a responsabilidade dos servidores da Anvisa para com o Serviço Público. Ele também se manifestou favorável à ampla discussão e esclarecimento das propostas de norma, dizendo que seu gabinete estará sempre aberto ao diálogo.A diretoria da Univisa aguarda agora marcação de audiência com o diretor Dirceu Barbano, já solicitada mas ainda sem resposta pelo gabinete do dirigente.

Univisa começa a discutir jornada de trabalho com diretores

O diretor geral adjunto da Associação Univisa, Diogo Penha, e o colaborador Varley Sousa, integrante do GT da jornada de Trabalho, estiveram reunidos na manhã de hoje com a diretora Maria Cecília Brito. O encontro faz parte das tratativas iniciadas pela associação para rediscutir a portaria da jornada de trabalho e controle de acesso que a diretoria quer publicar mas não conta com apoio dos servidores da Anvisa. Depois de assembléia realizada na quinta-feira (dia 28/10) a Univisa, com apoio da Aner, Sinagências e importante movimentação de cerca de 250 servidores conseguiu suspender a publicação da portaria pela Dicol. Entre os principais pontos de discordância, a associação entende que deve haver ampla discussão e busca de alternativas antes da utilização de catracas eletrônicas para controle de ponto, como quer a Dicol. No encontro, Maria Cecília concordou com a ampliação das discussões e lançou a idéia de um workshop onde os servidores teriam possibilidade de contribuir com a construção da norma. Por sua vez, os representantes da Univisa enfatizaram que antes da adoção do controle de ponto via catracas (que inicialmente seriam instaladas somente para controle de acesso ao prédio) é necessário regulamentar pontos como banco de horas, horário flexível, tempo gasto em viagens e ações fora da Agência. O próximo diretor a receber a Univisa será o ex-ministro Agenor Alvarez. Acesse o site da associação e se veja participando deste importante momento de mobilização dos servidores da Anvisa. “Juntos Podemos Mais!”

Associação e sindicatos pedem maior discussão sobre portaria de jornada de trabalho da Anvisa

A Associação Univisa, junto com a Aner e o Sinagências, solicitaram à Diretoria Colegiada da Anvisa a retirada de pauta da votação da Portaria sobre jornada de trabalho. Alguns itens da portaria não contam com o apoio dos servidores. A solicitação foi feita depois que assembléia convocada pela Univisa deliberou pela discordância de publicação da jornada de trabalho sem discussão com ampla participação dos servidores. O diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Raposo, acatou a solicitação. Entre outros, há discordância com relação aos seguintes pontos constantes da proposta de portaria: 1) Uso dos dados que serão gerados pelas catracas de controle eletrônico de acesso para o controle da freqüência dos servidores. Os servidores defendem que os dados somente sejam utilizados para a segurança da Anvisa. Não estando, portanto, disponíveis para qualquer uso fora do interesse da segurança institucional;2) Exigência de manutenção da maioria dos servidores das 8:00h as 12:00 e das 14:00 às 18:00 (parte do Art 3° item 4), quando o horário oficial de funcionamento da Anvisa deverá ser estabelecido (pela mesma portaria) entre 7h e 21h;3) Vedação de reposição de horas durante finais de semana e feriados (Art 6° parágrafo 1°). Aproveitamos a oportunidade para parabenizar a todos pelo Dia do Servidor Público e ressaltar a importância da união na conquista e preservação dos nossos direitos. Hoje fomos 120 na assembléia e dobramos esse número no hall de entrada. Amanhã, seremos muitos mais!

Horário Flexível: Vantagem para servidor e instituição.

Os servidores da Anvisa lotaram o auditório da agência para acompanhar o debate promovido pela Associação Univisa sobre horário flexível de trabalho, ontem (dia 05/08). A presença massiva demonstra apoio à adoção das sete horas corridas de trabalho na agência, pleito que a Univisa defende. Entre os expositores estavam quatro gerentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), órgão onde o horário flexível vem sendo praticado com grande vantagem para servidores e instituição. O gerente de Desenvolvimento Organizacional Jeann Karlo de Melo Vieira, responsável pelo projeto das 7h corridas na Anatel, enfatizou que a proposta surgiu da própria gestão da autarquia, e que até o momento tem levado a melhorias no funcionamento da agência. “Tivemos aumento de produtividade com o maior comprometimento dos servidores com os resultados buscados. Segundo ele, pesquisas internas revelaram que a qualidade de vida do servidor também melhorou. “Aumentou o convívio familiar e os compromissos pessoais foram deixados de fora do trabalho”. Na Anatel, as turmas de servidores se revesam entre 7h e 20h, horário de atendimento do órgão. São cumpridas 35 horas semanais, mais cinco de sobreaviso. “Mas o servidor que desejar, pode continuar cumprindo oito horas”, esclareceu Jean karlo. O Gerente de Talentos e Desenvolvimento Organizacional, Hélio Leal, disse que o foco deixou de ser o cumprimento de horário para se concentrar no resultado do trabalho, enfatizando que os diretores da Anatel apóiam amplamente o horário flexível. Outra pesquisa realizada recentemente pelos Recursos Humanos da autarquia revelou que 98% dos servidores estão satisfeitos com o horário flexível, enquanto 83% dos gerentes também o aprovam.A gerente da Unidade de Atendimento ao Público (Uniap) da Anvisa, Aline Chagas, falou sobre o horário flexível praticado pelos servidores de sua área. Na Uniap, duas turmas se revezam cumprindo seis horas de trabalho ininterruptas, entre 7h e 13h e entre 13h e 19h. De acordo com ela, o atendimento melhorou com o novo horário cumprido pelos servidores, o que traz ganho em imagem positiva para a Anvisa. “Se melhoramos o ambiente de trabalho dentro de casa, isso se desdobra na melhoria do trabalho que a Anvisa presta à sociedade”, frisou Aline. A gerente enfatizou que o resultado da adoção do novo horário na Uniap é amplamente positivo. ”Sou categórica em dizer que dá certo!”. Aline explicou que a possibilidade de pratica do horário alternativo está respaldada em regulamento do Governo Federal prevendo que órgãos que trabalham por 12 horas ininterruptas com atendimento ao público têm a prerrogativa de organizar dois turnos de 6h para seus servidores. O debate contou ainda com os gerentes de Cultura e Clima e de Gestão e Inovação da Anatel, Rodrigo Menezes e Bruno Vieira. Ambos unânimes em apontar que o sistema só traz benefícios. O diretor geral adjunto da Univisa, Diogo Penha, que conduziu o debate, disse ao final do encontro que os servidores devem permanecer mobilizados pela adoção do horário flexível na Anvisa, pois não há movimento por parte da direção para adoção do sistema.

Atividades da associação

Desde sua criação, em novembro de 2009, a Associação Univisa vem tendo intensa participação em diversas iniciativas que a Agência adota e que podem vir a afetar a vida do servidor. Em alguns casos, a diretoria da associação toma a atitude e solicita espaço para participar. Em outros, é convidada a fazer parte, o que significa o reconhecimento por parte do corpo diretivo da casa da importância da Univisa como representante dos servidores. No Planejamento Estratégico a associação possui um representante que participou da oficina realizada em junho com o objetivo montar a matriz FOFA (Forças, Fraquezas, Ameaças e Oportunidades). Os passos seguintes do trabalho também contarão com a participação da Univisa.A associação conta também com representantes nas seguintes comissões: comissão do restaurante, comissão do berçário, Comissão de Avaliação de Desempenho (CAD), comissão de pós-graduação e comissão para elaboração da portaria para controle de acesso, além de ter participação no Grupo de Trabalho que deliberou sobre a Portaria da Promoção e Progressão.A diretoria da Associação vem iniciando tratativas para estar presente nas reuniões da Diretoria Colegiada da Agência bem como no Conselho Consultivo. Em paralelo, vêm funcionando os grupos de trabalho internos da associação que tratam de temas como infra-estrutura, recursos humanos e articulação institucional. Os trabalhos desses grupos vão se desdobrar em uma discussão a ser ampliada no Fórum de Discussão, à disposição no site da Univisa. “A diretoria da associação tem cumprido sua agenda de prioridades, sempre com foco na busca de espaço para participação nas decisões que interferem na vida do servidor. Há muito trabalho ainda a ser feito e a participação não só do associado como de qualquer servidor é essencial para cumprirmos todos os compromissos”, diz o diretor geral da Univisa, Daniel Coradi de Freitas.

Nota Oficial

Prezados colegas, Após seis reuniões da UNIVISA com três administrações diferentes do SIA, além do abaixo assinado encaminhado para o então governador Arruda, finalmente se conseguiu com que o GDF, através da Administração do SIA, realizasse as obras necessárias para a melhoria do acesso e da segurança dos servidores para a sede de ANVISA, assunto que se encontrava pendente de solução, desde a mudança dos servidores para a nova sede. Deve ser esclarecido que a decisão de se fechar o acesso direto para o estacionamento interno foi da Diretoria de Segurança do DETRAN e que tanto a UNVISA, quanto a ANVISA apresentaram a proposta de que o fechamento fosse apenas provisório, para se avaliar os seus efeitos e somente então, ser feita uma obra definitiva. A proposta não foi aceita pelo Diretor de Segurança do DETRAN. Como as outras obras, para completar a segurança do acesso à sede, dependiam dessa, e considerando que os demais participantes da reunião não eram especialistas em segurança de trânsito, para que pudessem apresentar uma proposta tecnicamente melhor, só restou aceitar essa solução, para evitar que as demais obras, que completam a segurança ao acesso à sede, não fossem prejudicadas e atrasadas na sua execução. Esclarecemos que participaram dessa reunião, na qual foram tomadas as decisões finais, o atual administrador do SIA Sr. Edson Rosa, a Assessora do Diretor Geral do DETRAN Sr. Karen Sofia, o Diretor de Segurança do DETRAN, Sr. Fonseca, , o colega Hoeck Miranda, representando a UNIVISA e os colegas Silvana Bonora e Renato representando a UNLOG/GGGAF. Temos certeza que as melhorias que foram implantadas representam a melhor solução que poderia ser alcançada no momento, para se garantir a segurança de acesso à sede da ANVISA. Ainda temos outras reivindicações para melhorar a facilidade de acesso à sede da ANVISA, que são 5 linhas de ônibus com os seguintes percursos mínimos:; 1 – Metrô Park Shopping – ANVISA; 2 – L2 Norte e Sul – ANVISA; 3 – W3 Norte e Sul – ANVISA; 4 – Rodoviária do PP – ANVISA; 5 – Taguatinga Norte – ANVISA, via Estrutural. Com essas linhas de ônibus implantadas, poderemos deixar os nossos carros na garagem. Diretoria da UNIVISA

Comunicado à Rede de Pontos Focais

Como sabem elegemos este mês de maio como o mês de nossa campanha de filiação à UNIVISA. Em nossa primeira reunião com a Rede de Pontos Focais - RPF, ocorrida no dia 10/05 passado, pudemos nos conhecer e definir a estratégia de cada ponto focal agir em sua unidade, junto aos colegas estimulando-os a filiarem-se. Estamos na segunda semana de campanha e os seus efeitos começaram a surgir. Temos hoje, 106 servidores cadastrados no site da UNIVISA e 73 filiados que fizeram seus depósitos. Porém precisamos de mais filiados para alcançar maior legitimidade e somos capazes de obter resultados melhores. Considerando que o mês está se encerrando, gostaríamos de nos reunir novamente com todos os pontos focais na próxima sexta-feira, dia 21/05, no saguão do Bloco E (edifício garagem), às 17h15. O objetivo é apresentar um balanço parcial da campanha de filiação e traçar novas estratégias para conquistarmos mais filiados. Informaremos, também, alguns pontos que auxiliarão no esclarecimento de dúvidas da RPF e dos servidores sobre a associação, seus desafios, prioridades e resultados já alcançados. Finalmente, muitos colegas da RPF que não puderam comparecer à primeira reunião manifestaram o interesse em participar de novo encontro com vistas a colaborar e conhecer os demais integrantes da rede. A reunião terá a participação da diretoria da UNIVISA e não deverá durar mais que 25 minutos. Façam um esforço e compareçam. Diretoria da Univisa

Subsídio em debate

Cerca de 60 servidores participaram do “1º Café com Visa”, debate promovido pela Univisa na tarde desta terça-feira no Auditório da Agência. O tema deste primeiro debate (que a associação promoverá mensalmente) foi Subsídio. Para esclarecer sobre o tema foram convidados dois especialistas no assunto: Paulo Eduardo de Freitas, do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central; e Antônio Queiroz, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). O encontro foi conduzido pelo diretor geral da Univisa, Daniel Coradi. Paulo iniciou sua explanação alertando que o debate sobre transformação de gratificações em subsídios envolve dúvidas e certezas, emoção e racionalidade. Ele disse que no Banco Central, quando da transformação, as opiniões se dividiram: os funcionários mais antigos acham que perderam enquanto os novatos ficaram com a sensação de ganho. “O subsídio trouxe de positivo a satisfação pelo fim das ameaças da extinção das gratificações e um sentimento de uniformidade da categoria”, esclareceu o sindicalista. Segundo ele a discussão transitou também por temas não exatamente financeiros, como a integração a uma carreira exclusiva de Estado, que é sonho e desejo de muitos servidores. Mas lembrou que essa integração pode gerar restrições ao servidor. Paulo diz que no Banco Central existe entre a maioria dos servidores a sensação de que a maioria ganhou com a transformação das gratificações em subsídio. Antonio Queiroz enfatizou que o subsídio dá autonomia e independência, duas garantias importantes para servidores de órgão de regulação. Ele lembrou que a carreira de regulador é uma das quatro ainda pendentes de receber por subsídio no âmbito do governo. “Todas as outras com as mesmas características da carreira da Anvisa já recebem”. O representante do Diap, entretanto, alertou para o fato de que uma vez concedido o subsídio pelo Governo, a carreira fica sem possibilidade agregar separadamente outros benefícios, tais como adicional por insalubridade ou por tempo de serviço. A remuneração por avaliação também desaparece. Antonio estimulou os servidores a irem à luta caso optem pela nova forma de remuneração, lembrando que o prazo legal para obtenção do subsídio está se esgotando. “Pela legislação, o Governo só pode acrescentar novas despesas ao Orçamento até cinco de julho”. No encerramento Daniel salientou que a proposta da Univisa com o debate foi levar aos servidores esclarecimento sobre o tema, o que considerou ter sido alcançado com a exposição de Paulo e Antônio. Ele agradeceu à Associação Nacional dos Servidores Efetivos das Agências Reguladoras (Aner) por ter oferecido o contado com os palestrantes e à servidora Mariana Collani, pela organização do encontro.

Univisa trabalha com pauta de prioridades

Em reunião no dia 22 de abril a diretoria da Univisa elaborou uma lista de prioridades para as demandas recebidas dos servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ao longo dos últimos dois meses. A partir de agora, serão formados grupos de trabalho com diretores e pontos focais que atuarão para dar encaminhamento às necessidades pautadas pelos servidores. Os associados da Univisa também poderão participar do processo, bastando para isso manifestar essa vontade à direção da associação. “A organização dos trabalhos será de responsabilidade dos diretores, mas a execução deve ser partilhada pelos associados”, comentou o diretor geral Daniel Coradi Freitas. Lista de prioridades: Infra-estrutura * Melhorias no trânsito próximo à Anvisa* Instalação de lanchonete na sede da agência* Convênio com creches e planos de saúde* Instalação de berçário na sede da agência* Convênios e atividade de estímulo ao lazer* Melhorias no refeitório* Instalação de restaurante na sede Recursos Humanos * Realização de debates/seminários sobre as carreiras e assuntos pertinentes à Vigilância Sanitária (“Café com VISA”)* Colaboração com a GGRHU sobre necessidade de concurso para reposição de vagas* Acompanhamento e publicidade de ocupações de cargos comissionados na Anvisa (avaliação de cumprimento do Decreto dos Cargos Comissionados)* Colaboração na elaboração das regras para remoção interna* Colaboração na elaboração das regras para progressão e promoção* Colaboração na elaboração da política de capacitação Articulação Institucional * Participação da Univisa no Conselho Consultivo da Agência

Lançamento oficial da Univisa reúne 250 servidores

O lançamento oficial da Associação dos Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Univisa) na tarde de sexta-feira (dia 09/04) levou 250 servidores da agência ao auditório da Anvisa. O lançamento teve música, apresentação da diretoria e coffe break, além da presença dos quatro diretores da agência, Dirceu Raposo de Mello, Maria Cecília Martins, Agenor Alvarez e Dirceu Barbano. Também participou o diretor da Associação dos Servidores da Agência Nacional de Águas (Aságuas), Fredejan Pereira. Na abertura da cerimônia o diretor-presidente da Anvisa Dirceu Raposo de Mello, deu as boas vindas à associação e disse que ela deve ter foco também no fortalecimento da instituição Anvisa perante o público externo, “pois assim a Univisa estará se fortalecendo e aos seus associados”. Dirceu lançou uma campanha em favor dos flagelados das chuvas no Rio de Janeiro, a qual sugeriu ser encampada pela associação. Fredejan exaltou a importância de uma associação de servidores para qualquer entidade. Disse que na Ana, 92% dos funcionários são associados, o que fortalece os trabalhadores. “Abrimos espaço na direção para negociar capacitação, remoções internas, planejamento estratégico, concursos, inclusive com participação na questão da indicação de diretores para a agência”. Em seu discurso de posse, o diretor geral da Univisa, Daniel Coradi de Freitas, deixou claro que a Univisa não nasce com DNA de sindicato nem para apoiar qualquer tipo de corporativismo danoso à instituição. “Nós temos uma frente principal de atuação, que está focada na qualidade de vida presente e futura do servidor. A maioria de nós estará aqui daqui a dez anos, então temos que pensar no futuro da agência”, disse ele. Daniel exortou os servidores a colaborarem com a indicação de demandas para melhorias das condições de trabalho e convivência na Anvisa, acrescentando que a associação já tem uma lista com cerca de 30 assuntos a serem tratados de imediato. Daniel apresentou os diretores (diretoria) e ressaltou que os pontos focais, servidores que colaboram com a associação nos diferentes setores da agência, têm papel relevante no esclarecimento dos pontos a serem atacados pelo trabalho da Univisa. O lançamento oficial da associação também marcou a abertura do concurso para escolha do logotipo da associação (clique aqui). O encerramento coube ao sexteto musical Fine Brass, formado por metais e pela bateria de Matheus Ribeiro, diretor cultural da associação. O evento teve patrocínio do CAPESESP (veja aqui a apresentação sobre a CAPESESP).

Sala de apoio à amamentação será inaugurada nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (dia 19), será inaugurada a sala de apoio à amamentação para mães nutrizes da Anvisa. O evento ocorre às 16h, na própria sala, localizada no 2º andar do bloco E, em frente ao elevador. A existência de salas de apoio à amamentação está prevista pela portaria conjunta nº 193, Ministério da Saúde/Anvisa publicada em 24 de fevereiro de 2010, contendo Nota Técnica sobre o tema.As salas de apoio à amamentação são locais destinados à retirada e estocagem de leite materno durante a jornada de trabalho e têm por objetivo atender às mulheres que precisam esvaziar as mamas durante o expediente para oferecer o leite à criança em outro momento.A sala da Anvisa contará com pia, geladeira para conservar o leite e poltronas para acomodação das mães. Poderá ser usada por até duas mães de cada vez, que terão acesso à sala apanhando a chave com a segurança do bloco E. A inauguração da sala contará com a presença de mães nutrizes, com representantes da Unlong e GGGAF (Anvisa), que providenciaram a montagem da estrutura, e com os diretores da Univisa, além da arquiteta Regina Barcellos, que falará sobre a importância das salas de amamentação. O evento é aberto a todos os interessados. A Portaria nº 193 pode ser acessada aqui. Informações sobre o funcionamento da sala de apoio à amamentação da Anvisa 1 – a chave da sala de apoio à amamentação estará em posse da vigilância do Bloco E e será cedida às nutrizes, que após utilizarem o ambiente devem devolvê-la a equipe de vigilância;2 – Cada mãe é responsável pela identificação dos vidros (rótulos) em que será armazenado o leite, assim como sua esterilização posterior (em casa);3 – Segundo as orientações do Manual de Banco de Leire Humano publicado pela Anvisa em 2008, na sala onde será colhido o leite não é permitido comer, fumar ou guardar objetos pessoais e/ou roupas;4 – As embalagens adequadas para acondicionamento do leite são recipientes de vidro, com boca larga, tampa plástica rosqueável conforme orientação do Manual Banco de Leite Humano (servem potes de maionese ou café solúvel com a tampa plástica) 5 – A nutriz que desejar doar o leite para um banco de leite humano pode entrar em contato com algum dos bancos existentes no Distrito Federal:a) Hospital Regional da Asa Sul - 3445-7597 / 3445-7515b) Hospital Regional da Asa Norte - 3325-4355 / 3325-4207c) Hospital Universitário de Brasília - 3307-3452d) Hospital Brasília – 3704-9079. O próprio hospital envia funcionário para recolher a doação.6 – Mais informações sobre – coleta, higienização das mãos, lavagem e esterilização dos potes e doação para bancos de leite humano estão disponíveis no Manual Banco de Leite Humano: Funcionamento, Prevenção e controle de Riscos: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/serie.htm

Direção da Anvisa define instalação de sala de apoio à amamentação

Em reunião nesta terça-feira (dia 09/03) com a direção da Univisa mais as servidoras Adjane Balbino e Magda Miranda (ambas da GGTES) o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Raposo de Mello, autorizou a instalação de uma sala de apoio à amamentação para atender a agência. A reivindicação foi motivo de um abaixo-assinado promovido pela servidora Adjane Balbino, que coletou cerca de 80 assinaturas. O pleito ganhou o apoio da direção da Univisa. No encontro com o diretor-presidente da agência foi definida a instalação da sala de apoio à amamentação no segundo andar do bloco E. O local já conta com alguma estrutura, como um banheiro, mas precisará ainda da abertura de uma janela para ventilação e de poltronas para uso pelas mães. Do encontro participou o diretor-presidente da Univisa, Daniel Roberto Coradi de Freitas, e a gerente-geral de Gestão Administrativa e Financeira, Luzia Cristina Contim, que ficará responsável pela adequação da sala. A existência de salas de apoio à amamentação está prevista pela portaria conjunta nº 193, Ministério da Saúde/Anvisa publicada em 24 de fevereiro de 2010, contendo Nota Técnica sobre o tema. As salas de apoio à amamentação são locais destinados à retirada e estocagem de leite materno durante a jornada de trabalho e têm por objetivo atender às mulheres que precisam esvaziar as mamas durante o expediente para oferecer o leite à criança em outro momento. A sala deverá estar à disposição das servidoras na próxima semana.

Diretoria da Univisa procura pontos focais nas áreas

A diretoria da associação está empenhada neste momento em contatar servidores que possam servir como ponto focal nas diferentes áreas da Anvisa para colaborar com o levantamento e solução de questões que afetem o dia-a-dia na agência. Nesta semana, os diretores de Assuntos Institucionais da Univisa Hoeck Miranda, Isabella Valderrama e Alessandro Magno Belisário percorreram algumas áreas, apresentando a associação e explicando a importância de os servidores colaborarem com o trabalho que ora a Univisa inicia. “Não há como a diretoria saber de tudo que acontece e das carências. Por isso, é muito importante que as pessoas de dentro das áreas auxiliem a associação levantando questões e ajudando a indicar possíveis soluções” enfatizou Hoeck na reunião realizada com técnicos da GGTES. No encontro, as servidoras Fabiana Sousa e Eliane Blanco Nunes levantaram a necessidade de a Anvisa contar com creche para atender os filhos dos servidores. Hoeck esclareceu que este é um dos temas já pautado para entrar no Plano de Ação da Univisa para o ano. Em termos de colaboração entre a Univisa e servidores com iniciativas de melhoria do ambiente de trabalho, já está em curso parceira com a servidora Adjane Balbino, também da GGTES. Ela promoveu um abaixo-assinado para que a sede da agência passe a contar com uma Sala de Apoio à Amamentação, em acordo com o preconizado pelo Ministério da Saúde para o assunto. Nas salas, mulheres que amamentam e tiveram de voltar ao trabalho depois do parto têm a oportunidade de esvaziar as mamas, podendo oferecer o leite ao filho depois de colhido e conservado em locais adequados. A adoção de salas de apoio à amamentação é orientada por Nota Técnica Conjunta (Portaria nº 193), publicada pela própria Anvisa e Ministério da Saúde em 24 de fevereiro de 2010.

Detran promete quebra-molas para o dia 04 de março

Em reunião ontem (25/02) com o diretor da Univisa Daniel Coradi, representantes do Departamento de Trânsito (Detran) e da Administração do SIA definiram as datas para instalação de quebra-molas e para a finalização das obras de urbanização da via em frente ao prédio da Anvisa. No dia 04 de março (quinta-feira) será feita a instalação dos quebra-molas, já as obras na pista com rearranjo das áreas de circulação de automóveis (ver foto) deverão estar concluídas até o dia 24 de março. Como medida imediata, os taxistas que trabalham em frente à agência foram alertados a não estacionar ao redor do canteiro frontal ao prédio, já que cinco vagas exclusivas estão reservadas para táxis sobre o canteiro. Os fiscais ressaltaram ser essencial que todos respeitem as regras de trânsito evitando estacionar ao redor do canteiro frontal à agência e nas vias laterais à Anvisa e à Conab. Haverá colocação de placas no local para maior esclarecimento dos motoristas. Além disso, o fiscais do Detran virão diariamente ao SIA e aplicarão multas aos carros estacionados irregularmente. "Sugiro que aguardemos o prazo solicitado para reformas antes de realizarmos novas manifestações. Tenho falado diariamente com o sr. Lunardi, da Administração do SIA, e regularmente com o sr. Leitieri, do Detran, que estão empenhados na solução do problema", disse Daniel Coradi. Também participaram do encontro técnicos da Gerência Geral de Gestão Administrativa e Financeira (GGGAF).

Associação apresenta necessidades de melhorias no transporte público do SIA à Anvisa

O Grupo de Trabalho para melhoria do transporte por Ônibus ao SIA (GT Ônibus) da Associação Univisa reuniu-se nesta quinta-feira (dia 08/09) com o gerente geral da GGGAF Marco Antônio Machado de Macedo, com a assessora da gerência Alda Coutinho e com a chefe de Gabinete, Vera Bacelar. Os integrantes do GT Ônibus Hoeck Miranda e Guilherme Buss e o diretor Administrativo da Univisa, Thiago Carvalho, apresentaram estudo sobre as necessidades por melhoria do acesso do servidor da agência ao SIA. "Essa demanda é urgente e chegou à associação, pois afeta cerca de duas mil pessoas, entre servidores, terceirizados e fornecedores", esclareceu Hoeck. Thiago explicou que depois de levantar as demandas dos servidores foi feito um cotejamento com as linhas oferecidas pelo sistema de transportes, estando todas as necessidades mapeadas no trabalho apresentado aos dirigentes da Agência. "Fizemos contato com a Conab e com a Petrobrás, órgãos sediados no SIA, trecho 5, e cujos servidores também seriam atendidos pelas melhorias", antecipou Guilherme. Vera Bacelar foi favorável à idéia sugerida pela associação de realizar uma reunião entre a Univisa, a Anvisa, a Conab, a Petrobras, a Federação das Indústrias, o SESI e a Administração do SIA para o encaminhamento conjunto de necessidades de melhorias, ao governador do Distrito Federal. O encontro foi marcado para o dia 15 de setembro, às 16h, na Anvisa. "Ao juntarmos nossas demandas com a de outros órgãos e entidades, nos fortalecemos perante o GDF", disse Marco Antônio. O diretor geral da Univisa, Alessandro Belisario, e o vice, Diogo Penha, acordaram com Vera que a associação e a Anvisa devem retomar contatos com órgãos como o DETRAN e a Administração do SIA para outras necessidades de melhorias na área, como pintura de faixas de segurança, estacionamento e sinalização.